26 de julho de 2013

Médicos americanos propõem a exclusão do leite de origem animal do cardápio escolar


O Comité de Médicos por uma Medicina Responsável (PCRM)* solicitou que o Departamento de Agricultura "coloque os interesses das crianças acima dos interesses da indústria de lacticínios".

A petição foi apresentada no dia 19 de Julho e ainda aguarda resposta.
O Comité de Médicos por uma Medicina Responsável (PCRM) apresentou uma petição ao Departamento de Agricultura dos EUA para eliminar o leite animal do cardápio escolar, exigindo que este seja substituído por leite de soja enriquecidos com cálcio ou sucos de frutas.

De acordo com o PCRM, existem pesquisas médicas suficientes para comprovar que o leite não melhora a saúde dos ossos e é a maior fonte de gordura saturada na dieta, gorduras estas que somos orientados a evitar.

Um estudo publicado pela Associação Médica Americana nos Archives of Pediatric & Adolescent Medicine mostrou, este ano, que as crianças seleccionadas que consumiram as maiores quantidades de leite, sofreram mais fracturas ósseas do que aquelas que consumiram menos leite. E isto não foi uma surpresa. Estudos anteriores mostram que o consumo leite não melhora a saúde dos ossos ou reduz risco de osteoporose mas, actualmente, incrementa outros riscos à saúde.

"O leite não faz com que as crianças cresçam mais rápido e mais fortes mas pode fazer com que elas fiquem acima do seu peso ideal", disse a directora de educação nutricional do PCRM, Susan Levin. "Estamos a solicitar ao Congresso e ao Departamento de Agricultura (USDA) que coloquem os interesses das crianças acima dos interesses da indústria de lacticínios".

O cálcio é um nutriente essencial. Mas as crianças que recebem o cálcio do leite, perdem o beta-caroteno, o ferro e as fibras que estão nos vegetais. As crianças podem conseguir todo o cálcio que necessitam a partir de fontes como: feijão, tofu, brócolos, couve, pães, cereais, e bebidas sem lactose, fortificadas com cálcio, sem nenhum dos malefícios que são associados ao consumo de produtos lácteos.

A petição, apresentada no dia 19 de Julho, pede ao Departamento de Agricultura dos EUA que emita um relatório recomendando ao Congresso uma emenda à Lei Nacional de Merendas Escolares, a exclusão do leite de vaca, como um componente necessário, do Programa Nacional de Merenda Escolar.

Um a cada oito americanos é intolerante à lactose. Mais de 1 milhão de crianças norte-americanas são alérgicas ao leite, sendo esta a segunda alergia alimentar mais comum.
O governo federal gasta mais dinheiro em produtos lácteos do que em qualquer outro alimento do programa de merenda escolar.

*O "Comité de Médicos para uma Medicina Responsável”, é uma organização sem fins lucrativos, sediada em Washington, DC, que promove a dieta estritamente vegetariana, o uso constante da medicina preventiva, o fim das pesquisas científicas com animais, e o uso dos mais elevados padrões de ética e eficácia na investigação. Foi fundada em 1985 pelo psiquiatra Neal D. Barnard da Georgetown University School of Medicine. Hoje são mais de 100 mil médicos associados a ONG e a causa.

Fonte: http://www.pcrm.org/media/blog/july2012/dairy-product-industry-stop-milking-school-lunch



0 comentários :

Partilha